O papa argentino defendeu ontem (21) no Vaticano a reforma da Igreja, exortando a Cúria Romana a abandonar a “lógica do conflito” e as facções entre o progressismo e o tradicionalismo, convidando os seus membros a renovarem-se. Traduzindo: Bergoglio quer continuar a sua “modificação” da Igreja, e para isso pede para os religiosos conservadores ficarem quietos e ainda convida-os a se “renovarem” [leia-se tornarem-se comunosocialistas também!]. Crédito: Mazur/Catholic Church England and Wales

A chamada Cúria Romana compreende as instituições administrativas da Santa Sé e é o órgão central por meio do qual os assuntos da Igreja Católica são conduzidos. Ela atua em nome do papa e com sua autoridade para o bem e para o serviço das igrejas particulares e fornece a organização central para que a igreja avance seus objetivos.

Francisco reuniu os seus cardeais, bispos e prelados do Vaticano para sua saudação anual de Natal no Salão Clementino do Palácio Apostólico.

Este ano, Francisco disse que os conflitos na igreja entre progressistas e tradicionalistas, apenas ferem a igreja e distorcem sua verdadeira natureza. “Por isso, seria bom pararmos de viver em conflito e sentirmos mais uma vez que estamos caminhando juntos”, disse Francisco.

No encontro, o papa enfatizou que “crise” não é o mesmo que “conflito”, considerando que as crises na igreja oferecem uma oportunidade de renovação enquanto os conflitos são apenas “um desperdício de energia e ocasião para o mal”.

“O primeiro mal a que o conflito nos leva, e que devemos tentar evitar, é a fofoca, a tagarelice, que nos aprisiona num estado de auto-absorção desagradável, triste e sufocante”, disse.

Como o resto do mundo, o ano de 2020 do Vaticano foi marcado por um lockdown que paralisou o papa que viajava pelo mundo, cancelou as suas reuniões semanais com os fiéis e fechou os Museus do Vaticano, a principal fonte de receita da Santa Sé.

Esses reveses pastorais e financeiros foram agravados por um escândalo sobre o investimento de 350 milhões de euros da Santa Sé num empreendimento imobiliário em Londres que agora é objeto de uma investigação de corrupção. O escândalo expôs guerras territoriais divisórias dentro da hierarquia e levou à queda de um cardeal, entre outras vítimas.

Francisco pediu que a Igreja não fosse julgada pelas crises do passado ou do presente. “Se um certo realismo nos leva a ver nossa história recente apenas como uma série de percalços, escândalos e falhas, pecados e contradições, curtos-circuitos e retrocessos no nosso testemunho, não devemos temer”, disse.

“Em vez disso”, defendeu, “essas crises exigem uma abertura para mudar e discernir um caminho a seguir”.

Fonte: Agência Lusa

Leia também:

Papa não realizará bênçãos de Natal e até a Missa de Vigília ocorrerá em horário insólito: 19h30

A inversão da fé: Vaticano considera “aceitável” vacinas obtidas de células de fetos abortados e espera que você, fiel ovelha, acredite

Mons. Viganò: A ciência prostituiu-se aos interesses da elite

Bilionário chinês diz que Vaticano recebeu suborno de Pequim

Sombrio: Presépio do Vaticano parece um sarcófago e tem até ‘Darth Vader’

Exorcista alerta para o crescimento do culto ao demônio nos dias atuais

Direitos Humanos da ONU: o mundo precisa de “um novo contrato social, com uma nova era” e os “princípios maçônicos” são necessários

Papa cria Conselho de Guardiões e quer transformar o capitalismo em “instrumento para o bem-estar humano”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s