O South China Morning Post relatou, com base em afirmações da mídia chinesa, que a carga útil real do H-20 pode ser de 45 toneladas, e as cargas úteis potenciais podem incluir quatro mísseis de cruzeiro furtivos ou hiper-sônicos. Crédito: The National Interest

O bombardeiro furtivo Stealth H-20 que a China tem atualmente em desenvolvimento pode ser capaz de chegar até bases americanas em Guam e até no Havaí, de acordo com um relatório recente do Royal United Services Institute para Estudos de Defesa e Segurança (RUSI).

O bombardeiro H-20 ainda está em desenvolvimento, mas o relatório de agosto do RUSI estima que as capacidades do H-20 excedem as estimadas pelo Pentágono. Na época, o Pentágono avaliou que o bombardeiro chinês teria um alcance de pelo menos 8.500 km.

De acordo com uma cópia do relatório do RUSI, obtido pelo South China Morning Post, o bombardeiro com capacidade nuclear chinesa poderia ter um alcance de cerca de 12.000 km, colocando o Havaí a uma distância potencial de ataque do continente chinês.

A cidade chinesa de Xangai, na costa leste da China, fica a cerca de 8.200 Km do Havaí. Um bombardeiro H-20 poderia, teoricamente, chegar ao Havaí e retornar à China com reabastecimento no ar na volta.

Em agosto, o Pentágono também avaliou que o bombardeiro H-20 provavelmente poderia carregar uma carga útil de pelo menos 10 toneladas. O Pentágono avaliou que o bombardeiro também teria a capacidade de transportar armas convencionais e nucleares e que a aeronave poderia estrear “em algum momento da próxima década”. O South China Morning Post relatou, com base em afirmações da mídia chinesa, que a carga útil real do H-20 pode ser de 45 toneladas, e as cargas úteis potenciais podem incluir quatro mísseis de cruzeiro furtivos ou hiper-sônicos.

Em comparação, o bombardeiro Stealth da Força Aérea dos EUA, de design semelhante, o B-2 Spirit, tem um alcance aproximado de cerca de 9.660 Km e cerca de 18 toneladas, de acordo com informações da Força Aérea americana.

“Armado com mísseis nucleares e convencionais, o H-20 representaria uma grande ruptura com a doutrina anterior da Força Aérea do Exército Popular de Libertação (PLAAF) [a força aérea chinesa], e com a prática de desenvolvimento de equipamentos”, diz o relatório do RUSI.

O South China Morning Post relatou que a configuração atual da força aérea da China é como uma potência aérea regional que pode operar sobre os arquipélagos próximos do Pacífico, incluindo o Japão e as Filipinas.

“O H-20, por outro lado, daria à China uma capacidade de projeção de energia verdadeiramente intercontinental”, diz o relatório do RUSI.

As novas avaliações das capacidades do bombardeiro H-20 ocorrem em meio a tensões crescentes entre os EUA e a China no Pacífico. Os EUA têm configurado suas forças e o desenvolvimento de novas armas com um conflito potencial no Pacífico Sul em mente. A China também tem reforçado sua presença no contestado Mar do Sul da China. Pequim recentemente pareceu reconhecer o potencial para conflito armado quando, em um anúncio recente da Força Aérea do PLA, retratou um bombardeiro H-6K chinês atacando o território da ilha americana de Guam.

Song Zhongping, um ex-instrutor do Exército de Libertação do Povo da China (PLA), disse ao South China Morning Post que o H-20 foi projetado com o potencial de atingir territórios dos EUA em mente, estabelecendo o bombardeiro como parte de uma tríade nuclear chinesa que também inclui armas nucleares lançadas por terra e mar.

Zhongping disse que o “design do H-20 significa que é improvável que tenha capacidade de combate aéreo, portanto, furtividade é mais importante”.

Enquanto a China continua a desenvolver seu bombardeiro H-20, os EUA também estão trabalhando em um novo bombardeiro voador, o B-21 Raider. De acordo com um comunicado de imprensa da Força Aérea, de 2018, o novo bombardeiro B-21 deve substituir os atuais bombardeiros B-1 Lancer e os B-2 Spirit, atualmente em serviço em três bases de bombardeiros existentes desde meados deste ano.

Fonte: Thaís Garcia/Conexão Política

Leia também:

Pesquisador afirma que China usou armas de micro-ondas para atacar soldados indianos em conflitos de fronteira

Com maior tratado comercial do mundo, China “compra” Ásia e Oceania – deixando Taiwan, Hong Kong e arquipélagos totalmente vulneráveis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s