Tedros Adhanom tem ligação pessoal com Xi Jinping e permanece envolto em muitas controvérsias sobre sua ascensão. Crédito: OMS

O exército da Etiópia acusou nesta quinta-feira o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, de apoiar e tentar obter armas e apoio diplomático para rebeldes na região de Tigray, no norte do país.

“Este homem é um membro desse grupo e tem feito tudo para apoiá-los”, afirmou o chefe do Estado-Maior do Exército, general Birhanu Jula, em um comunicado transmitido pela televisão.

A acusação ocorre em meio a uma ofensiva militar do governo etíope na região de Tigray, onde o partido Frente Pela Libertação do Povo Tigray (FLPT) luta contra as tropas do governo.

Tedros Adhanom é etíope, nasceu em Tigray e foi ministro da Saúde do país (entre 2005 e 2012) e ministro das Relações Exteriores (entre 2012 e 2016) em uma coalizão governamental liderada pelo partido. Os líderes da FLPT dizem que são perseguidos pelo primeiro-ministro do país, Abiy Ahmed, e foram expulsos do governo do país.

Ahmed recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2019.

Abiy Ahmed deu um ultimato militar aos adversários. O primeiro-ministro afirmou na terça-feira (17) que o “ato final da aplicação da lei” acontecerá nos próximos dias.

Fonte: G1/TerraBrasilNotícias

Saiba mais:

Etiópia: Governo acusa rebeldes de “crimes graves do direito internacional”

Ganhador do Nobel da Paz declara guerra na Etiópia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s