Nesta hora de supremo perigo para o Cristianismo, seria natural que os fiéis alçassem seu olhar para a Cátedra de Pedro, Suprema Autoridade da Igreja Católica, buscando uma palavra de conforto e orientação. No entanto, em vez de se portar como baluarte do Ocidente, a Santa Sé, ultimamente, parece indiferente a sua missão. Às vezes parece até favorecer as forças que atacam o Ocidente com intensidade cada vez maior. O aspecto mais terrível da situação atual é a imensa orfandade espiritual em que se encontra o Ocidente. Crédito: Oded Balilty/AP

A tríplice crise resultante da Covid-19, da agitação civil e do desastre econômico está abalando os fundamentos espirituais e materiais do Ocidente e do mundo. Não se trata de uma crise comum, pois ela abala nossas certezas desgastadas, ao mesmo tempo que muda nossas rotinas diárias e cerceia a liberdade da Igreja. Frente a essa crise, muitos ficam perplexos e se perguntam o que deu errado. Para onde vai o Ocidente? É possível evitar o caos que se aproxima?

Diante desse grande perigo que ameaça o Ocidente, o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (IPCO) e suas organizações coirmãs e autônomas nos cinco continentes – constituídas de leigos católicos que de há muito defendem a civilização cristã contra os erros do comunismo e do socialismo –  apresentam uma análise dos perigos da atual situação, bem como uma mensagem de esperançosa restauração.

I. A situação atual

A atual crise se manifesta de várias maneiras. Entretanto, todas elas apresentam uma meta comum: destruir as estruturas da civilização cristã ocidental que ainda resistem. Poderíamos dividi-las em três categorias principais.

1. Uma crise sanitária que afeta todos os aspectos da vida

O mundo se confronta com uma epidemia viral suspeita, originada na China e propagada a partir de lá. Este vírus afeta sobretudo as nações cristãs da Europa e das Américas, causando graves riscos sanitários e um profundo impacto econômico, social e psicológico resultante das draconianas medidas sanitárias e lockdowns.

O assim chamado “novo normal” está afetando a vida de centenas de milhões de pessoas, ao limitar a liberdade de movimento, ao interromper o trabalho e as aulas, ao proibir ou limitar reuniões e eventos culturais, e sobretudo restringir o acesso à Missa dominical e aos sacramentos.

As pessoas são levadas a se acostumar com um mundo de tristeza, isolamento e subconsumismo controlado por tecnocratas, não muito diferente do pesadelo distópico do romance “1984“, de George Orwell.

2. A pandemia expõe as debilidades estruturais de nosso mundo globalizado

Uma grave crise econômica está batendo à porta, com enormes consequências políticas, sociais, culturais e psicológicas. Analistas de nível mundial preveem que será muito pior do que a Grande Depressão de 1929.

A pandemia revelou a monumental dependência econômica do Ocidente – nefasto resultado do imprudente deslocamento de sua base industrial especialmente para a China.

O resultado é a grande fraqueza política do Ocidente. Sua influência encontra-se muito abalada no mundo “multipolar”, no qual a China comunista vem assumindo o papel de dragão. Muitos autores denunciam o declínio inevitável e gradual do poder político, militar e diplomático do Ocidente no cenário internacional. O mundo, como o conhecíamos, parece estar chegando ao seu fim.

3. A agitação enfraquece ainda mais o Ocidente

O Ocidente está sendo enfraquecido por focos de agitação que surgem simultaneamente em várias partes do mundo, como que desencadeados por uma direção comum.

Tais focos nascem de:

a) imigração descontrolada, um mal importado que favorece a formação de quistos estrangeiros dentro das nações. Muitos recém-chegados – especialmente migrantes muçulmanos – recusam integrar-se e assimilar-se ao país que os recebe, criando de fato um separatismo interno. Este fenômeno transforma o Ocidente em um “espaço aberto” multiétnico, multirreligioso e multicultural, sem uma identidade nem objetivo comum.

b) surgimento de reivindicações de minorias que se dizem discriminadas, e de ideologias de esquerda que buscam varrer todos os resquícios e estruturas do nosso passado cristão. Estes ideais sociais “desconstrucionistas” têm como alvo a sociedade burguesa capitalista. Muitos esquerdistas se aproveitam de diferenças raciais e culturais para promover a luta de classes por meio da violência nas ruas e destruição urbana. Um exemplo típico são os tumultos revolucionários promovidos pelo movimento Black Lives Matter (BLM) e Antifa nos Estados Unidos.

Entre outras consequências, essa agitação leva a um radicalismo que, com a ajuda da mídia, assusta e paralisa a maioria silenciosa. Em países onde esta maioria reage, a consequente polarização ideológica leva a uma paralisia das instituições democráticas, e muitos observadores chegam a mencionar o risco de guerra civil.

II. O homem ocidental face a este panorama

O Ocidente não está preparado para enfrentar esta tríplice crise. Seus alicerces estão corroídos pela terrível fraqueza estrutural causada por uma revolução cultural massiva, como se pode ver, por exemplo, com a crise na família, a cultura da morte representada pelo aborto, e a ideologia LGBT agressiva que vem se impondo a toda a sociedade, até mesmo a crianças inocentes.

Acima de tudo, o Ocidente está enfraquecido por uma crise espiritual. Muitos abandonam a Fé e vivem sem respeitar a lei de Deus, ignorando a vida da graça e a vida sacramental. E, enfraquecidos por esta decadência moral, passamos a esquecer nossas raízes cristãs.

Privados do apoio espiritual e social, muitos reagem à esta tríplice crise com perplexidade e incredulidade. Muitos psicólogos chamam isso de “trauma coletivo”.

Nosso mundo, poderoso, sólido, tecnologicamente “perfeito” e seguro de si, foi abalado até os alicerces pelo novo coronavírus. Em poucos meses, muitas “certezas” ruíram junto com a economia ocidental. Tais certezas alimentavam nas massas um otimismo de progresso indefinido.

Hoje, essa crise corroeu a confiança na mídia, na ciência, nas autoridades políticas e até nos líderes religiosos.

O otimismo, traço característico de nosso tempo, que havia resistido a duas guerras mundiais, está agora desaparecendo e despertando uma crescente ansiedade pelo futuro.

Nesse contexto preocupante, muitos começam a questionar as premissas do Ocidente, perguntando: O que deu errado? Existe uma solução, uma luz que possa nos guiar nessa tempestade, consolando-nos e restaurando a confiança no futuro?

Tais perguntas trazem consigo uma semente de remorso e de um vago anseio pela retomada do caminho abandonado da virtude.

III. Uma imensa orfandade espiritual

Em meio à crise, seria bom voltarmos à fonte da cultura cristã e redescobrirmos os valores espirituais que formam a base de nossa civilização. É desta fonte espiritual que virão a ordem, as instituições e as graças que nos salvarão desta crise tríplice. Somente um retorno de filhos pródigos à casa paterna pode regenerar a sociedade na medida e profundidade necessárias.

No entanto, nossa incapacidade de lidar com esta tríplice crise decorre do fato de que nossas certezas, nossos princípios e valores foram minados pela crise que se desenvolveu paralelamente dentro da própria Igreja. Essa crise espiritual é muito mais destrutiva, pois nos priva dos meios que nos ajudariam a encontrar soluções.  

Nesta hora de supremo perigo para o Cristianismo, seria natural que os fiéis alçassem seu olhar para a Cátedra de Pedro, Suprema Autoridade da Igreja Católica, buscando uma palavra de conforto e orientação.

No entanto, em vez de se portar como baluarte do Ocidente, a Santa Sé, ultimamente, parece indiferente a sua missão. Às vezes parece até favorecer as forças que atacam o Ocidente com intensidade cada vez maior. O aspecto mais terrível da situação atual é a imensa orfandade espiritual em que se encontra o Ocidente.

O sumo pontífice da Igreja tem dado mais atenção às outras religiões – em busca da “religião global” – do que a sua própria. Fiéis sentem-se órfãos e desorientados, principalmente sob os efeitos psicológicos brutais da pandemia e a proibição da presença física nas igrejas. Crédito: Wikipedia

Consideremos os seguintes fatos recentes – entre muitos que poderiam ser citados – que solapam os fundamentos da fé:

1. O Catecismo da Igreja Católica reitera que os atos homossexuais “são contrários à lei natural” e “não podem, em caso algum, ser aprovados” (parágrafo nº 2357). E uma posterior declaração emitida pelo Vaticano em 2003 (mais detalhes aqui), condena “o reconhecimento legal das uniões homossexuais“. No entanto, uma recente declaração do Papa Francisco afirma que “os homossexuais têm direito de fazer parte de uma família (…). O que precisamos criar é uma lei de convivência civil. Eles têm o direito de estarem protegidos legalmente”.

2. A fim de construir um “mundo novo” multipolar, o Papa Francisco lançou a encíclica Fratelli Tutti, que, do ponto de vista religioso, coloca a Igreja Católica e a Sagrada Escritura em pé de igualdade com outras religiões e suas crenças fundamentais. Em nome de uma fraternidade universal naturalista e da “amizade social” correspondente, Fratelli Tutti fornece as bases doutrinárias e psicológicas para um “mundo aberto”, sem princípios nem fronteiras, sem religião definida, em que os recursos devem ficar igualmente disponíveis a todos, e em que os conflitos devem ser resolvidos por meio do “diálogo”.

3. A encíclica favorece, no Ocidente, a invasão descontrolada de migrantes  – no caso da Europa principalmente muçulmanos. E conclama os países a se submeterem a organismos internacionais como as Nações Unidas, que supostamente resolveriam problemas mundiais, especialmente os relacionados ao clima e ao meio ambiente.

4. Além disso, contradizendo a doutrina social da Igreja, Fratelli Tutti cerceia de tal maneira a propriedade privada e a economia de livre mercado que, na prática, nega a liceidade moral desses dois fundamentos da economia ocidental. Outros pontos da encíclica que também preocupam e foram repetidos pelo Papa Francisco ao longo de seu pontificado, e provavelmente o fará novamente durante os eventos do Pacto Global sobre a Educação e da Economia: o “decrescimento sustentável”; a economia de “energia sem carbono” (isto é, o miserabilismo como padrão de consumo ); a propriedade e a gestão comunitária praticada por movimentos populares de esquerda [comunosocialistas].

5. A isso se somam os anseios indigenistas propostos na encíclica Laudato Si e na Exortação Apostólica Querida Amazonia, que apresentam o modo de vida tribal como modelo sustentável e comunitário – isto sem mencionar os horrendos atos de adoração à Pachamama no Vaticano. Ambos documentos confirmam tragicamente as previsões do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira sobre as tendências miserabilistas e tribalistas de setores da Igreja, contidas no livro Revolução e Contra-Revolução, edição de 1976; e na obra Tribalismo indígena, ideal comuno-missionário para o Brasil no século XXI, de 1977.

6. A passividade da Hierarquia durante a crise sanitária ficou evidente quando muitas autoridades religiosas foram além das determinações civis, inicialmente impondo a comunhão na mão e depois chegando a cancelar a celebração das missas. Pela primeira vez na história, o clero católico celebrou a Páscoa sem fiéis. Muitos destes não estão mais voltando à Igreja, agravando assim uma crescente apostasia..

IV. Tem-se o direito de resistir a um papa que abandona a Cristandade?

Como diz seu próprio nome, a Igreja Católica é universal. Sua missão é batizar todos os povos, ensinando-os a observar o que Nosso Senhor Jesus Cristo ordenou (Mt 28:19-20).

Nesse sentido, Ela não fica circunscrita a esta ou àquela área geográfica, etnia ou cultura. Por dois mil anos a Civilização Cristã ocidental vem sendo o fruto mais visível e duradouro do apostolado da Igreja. A santidade de sua doutrina, o espírito evangelizador, a profundidade filosófica e teológica, a criação e manutenção de hospitais, universidades, obras de caridade, o efeito florescente de sua influência na economia, nas artes e ciências levaram o Papa Leão XIII a descrever nestes termos a Cristandade medieval:

“Tempo houve em que a filosofia do Evangelho governava os Estados. Nessa época, a influência da sabedoria cristã e a sua virtude divina penetravam as leis, as instituições, os costumes dos povos, todas as categorias e todas as relações da sociedade civil. Então a Religião instituída por Jesus Cristo, solidamente estabelecida no grau de dignidade que lhe é devido, em toda parte era florescente, graças ao favor dos Príncipes e à proteção legítima dos Magistrados. Então o Sacerdócio e o Império estavam ligados entre si por uma feliz concórdia e pela permuta amistosa de bons ofícios. Organizada assim, a sociedade civil deu frutos superiores a toda a expectativa, cuja memória subsiste e subsistirá, consignada como está em inúmeros documentos que artifício algum dos adversários poderá corromper ou obscurecer”. [Encíclica “Immortale Dei”, de 1º-XI-1885, Bonne Presse, Paris, vol. II, p. 39]

Até o Papa Francisco, os Soberanos Pontífices reconheciam a Civilização Cristã Ocidental como a filha primogênita da Igreja e procuraram defendê-la.

Que mãe desnaturada seria a Igreja se, vendo esta ordem em perigo de morte, lhe voltasse as costas? Pior ainda, que colaborasse com seus inimigos para agredir esta ordem até que perecesse? Se assim o fizesse, a Igreja estaria agindo como um falso pastor que entrega o rebanho aos lobos vorazes que o querem devorar.

Lamentavelmente é esta a atitude demonstrada por muitas das nossas mais altas autoridades eclesiásticas. Diante de tal panorama apocalíptico, uma pergunta lancinante surge na alma de inúmeros católicos:

– É lícito reagir e defender com altaneria a civilização cristã, suas tradições religiosas e temporais, mesmo quando contrarie orientações emanadas de altas autoridades?

– É lícito resistir às políticas adotadas pelo Papa Francisco, e que ameaçam a integridade, a segurança e as identidades culturais do Ocidente?

Não tememos continuar em estado de resistência porque o Papa Paulo VI e numerosas autoridades eclesiásticas implicitamente reconheceram – por seu silêncio – a liceidade moral da Declaração da Tradição, Família e Propriedade (TFP) [American Society for the Defense of Trdition, Family and Property] sobre a política de distensão do Vaticano com os regimes comunistas, de 1974. O documento, da autoria do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, foi assinado e publicado por todas as TFPs então existentes. Nele se lê:

« Neste ato filial, dizemos ao Pastor dos Pastores: Nossa alma é Vossa, nossa vida é Vossa. Mandai-nos o que quiserdes. Só não nos mandeis que cruzemos os braços diante do lobo vermelho que investe. A isto nossa consciência se opõe.

Sim, Santo Padre – continuamos – São Pedro nos ensina que é necessário “obedecer a Deus antes que aos homens” (At. 5: 29). Sois assistido pelo Espírito Santo e até confortado – nas condições definidas pelo Vaticano I – pelo privilégio da infalibilidade. O que não impede que em certas matérias ou circunstâncias a fraqueza a que estão sujeitos todos os homens possa influenciar e até determinar Vossa atuação. Uma dessas é – talvez por excelência – a diplomacia. E aqui se situa a Vossa política de distensão com os governos comunistas.

Aí o que fazer? As laudas da presente declaração seriam insuficientes para conter o elenco de todos os Padres da Igreja, Doutores, moralistas e canonistas – muitos deles elevados à honra dos altares – que afirmam a legitimidade da resistência. Uma resistência que não é separação, não é revolta, não é acrimônia, não é irreverência. Pelo contrário, é fidelidade, é união, é amor, é submissão ».

Foto do Auditório São Miguel, localizado em uma das sedes da TFP da década de 1970. Nela se vê o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira proferindo uma palestra, e na parte frontal uma grande faixa com a palavra “RESISTÊNCIA”. Tratava-se de uma alusão ao manifesto de resistência “A política de distensão do Vaticano com os governos comunistas – Para a TFP: omitir-se? ou resistir?”, lançado em abril de 1974 pela TFP. Crédito: IPCO

V. Resistência

Resistir significa que continuaremos a encorajar os católicos a reafirmar seu amor pela Civilização Cristã ocidental, defendendo seu legado e sua cultura.

Além disso, trabalharemos para que esse legado cultural seja restaurado ainda com maior brilho e solidez, para que o Ocidente recupere a liderança mundial que merece, não por ser ocidental, mas por ser católico. A civilização cristã ocidental é erigida sobre um passado bimilenar, e no fato de ter seu centro em Roma, na Sé de Pedro.

Resistir significa incentivar os líderes e os povos ocidentais a reconhecer as razões profundas de sua decadência – analisadas com acuidade em Revolução e Contra-Revolução, obra-princeps do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira – e aplicar os remédios que este sugere para livrar o Ocidente desta crise existencial.

Resistir significa não nos conformarmos com a morte do Ocidente. Pois, como nos ensinou no mesmo livro o já citado líder católico brasileiro, “quando os homens resolvem cooperar com a graça de Deus, são as maravilhas da História que assim se operam: é a conversão do Império Romano, é a formação da Idade Média, é a reconquista da Espanha a partir de Covadonga, são todos esses acontecimentos que se dão como fruto das grandes ressurreições de alma de que os povos são também suscetíveis. Ressurreições invencíveis, porque não há o que derrote um povo virtuoso e que verdadeiramente ame a Deus”.

Resistir significa externar respeitosamente nossa análise e juízo diante de pronunciamentos como os da encíclica Fratelli Tutti,  ou o endosso do Papa Francisco ao reconhecimento legal das uniões homossexuais, o que constituiu um golpe mortal no que ainda resta da civilização cristã ocidental.

Resistir significa denunciar com franqueza filial e respeitosa a perigosa contradição entre o tratamento privilegiado dispensado pela Santa Sé à China vermelha – cujo regime comunista não condena – e o desprezo do Papa Francisco pelos grandes países da Europa e das Américas. Ele ataca impiedosamente suas soberanias e seus sistemas econômicos baseados na livre iniciativa e na propriedade privada, e inteiramente alinhados com a lei natural, com os Dez Mandamentos e com o ensinamento bimilenar dos Papas e do Supremo Magistério da Santa Madre Igreja.

Resistir significa proclamar com indomável confiança que, para além das tempestades espirituais, dos desafios materiais e de todos os ataques de seus inimigos, o Ocidente e a civilização cristã reerguer-se-ão, cumprindo as palavras proféticas de Nossa Senhora em Fátima: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!”

28 de outubro de 2020

IPCO_logo

SIGNATÁRIOS

Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (Brasil)
Asociación Civil Fátima la Gran Esperanza (Argentina)
Australian TFP, Inc. (Austrália)
Österreichische Gesellschaft zum Schutz von Tradition, Familie und Privateigentum (Áustria)
Canadian Society for the Defence of Christian Civilization (Canadá)
Acción Familia por un Chile Autentico, Cristiano y Fuerte (Chile)
Centro Cultural Cruzada (Colômbia)
Sociedad Colombiana Tradición y Acción (Colômbia)
Circulo Beato Pio IX (Equador)
Société Française pour la Défense de la Tradition, Famille, Propriété (França)
Federation Pro Europa Christiana (França)
Deutsche Gesellschaft zum Schutz von Tradition, Familie und Privateigentum e.V. (Alemanha)
Irish Society for Christian Civilisation (Irlanda)
Associazione Tradizione Famiglia Proprietà (Itália)
Stichting Civitas Christiana (The Netherlands) (Holanda)
Sociedad Paraguaya de Defensa de la Tradición, Familia y Propiedad (TFP) (Paraguai)
Tradición y Acción por un Peru Mayor (Peru)
Philippine Crusade for the Defense of Christian Civilization, Inc. (Filipinas)
Fundacja Instytut Edukacji Społecznej i Religijnej im. Ks. Piotra Skargi (Polônia)
Instituto Santo Condestável (Portugal)
Tradición y Acción por un Uruguay Auténtico, Cristiano y Fuerte (Uruguai)
Family Action South Africa (África do Sul)
Tradición y Acción (Espanha)
Helvetia Christiana (Suiça)
Tradition, Family, Property–United Kingdom (Inglaterra)
American Society for the Defense of Tradition, Family, and Property (U.S.A.) (Estados Unidos)

Fonte: Instituto Plinio Corrêa de Oliveria (IPCO)

O documento foi está sendo replicado em diversos sites pelo mundo, como no LifeSiteNews.

Leia também:

Evento global em novembro contará com presença do Papa e chama-se “A economia de Francisco”

O plano de “Grande Redefinição” para “subjugar a humanidade”, destruir a liberdade e escravizar a população

Uma Europa “saudavelmente laica”, é o desejo do Papa Francisco em mensagem para eventos comemorativos europeus

Papa nomeia a cardeal arcebispo apoiador do Black Lives Matter e anti-Trump

“Acordão” entre Vaticano e China acaba de ser renovado, sob segredos inconfessáveis e transparência ZERO

“Francesco”: Em documentário, Papa defende abertamente a união entre pessoas do mesmo sexo e ainda alfineta Donald Trump

Encíclica papal é um manifesto Maçom, afirma sacerdote alemão

Papa progressista Francisco não diz “um A” sobre igrejas incendiadas no Chile e está provocando o Grande Cisma da Igreja

Dom Viganò: Bergoglio falsifica São Francisco e nivela com o desejo do “governo mundial” único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s