Bergoglio clama para seguirmos a ONU e um “governo mundial”. Crédito: CNS/Paul Haring

Frank Unterhalt, padre diocesano de Paderborn, Alemanha, escreveu uma análise da nova encíclica papal Fratelli Tutti , cujo tom de indiferentismo religioso e o chamado à “fraternidade universal” nos remete a linguagem e o programa da Maçonaria. Ele também lembra a todos nós que o chamado Grupo Sankt Gallen (St. Gallen) [Máfia de Saint Gallen, Máfia de Saint-Gall] – um grupo de cardeais progressistas que tentou sem sucesso eleger o então Cardeal Jorge Bergoglio como Papa em 2005 – desempenhou papel importante na eleição do Papa Francisco em 2013 e que seus objetivos agora estão sendo implementados pelo argentino Bergoglio.

Em sua declaração (texto completo abaixo), o Padre Unterhalt deixa claro que este novo documento papal que está promovendo um senso de igualdade entre as religiões, minimizando as crenças e posições cristãs, não está de acordo com o ensino da Igreja sobre o papel único para a salvação do homem.

Lembrando-nos de Nathan, o Sábio, peça escrita pelo poeta alemão e iluminista Gotthold Ephraim Lessing (1729-1781), Unterhalt aponta que é objetivo da Maçonaria estabelecer uma nova “irmandade” em que todas as religiões sejam iguais. Essa ideia também apareceu durante a Revolução Francesa, que era profundamente anticristã. Essas congruências são, para o padre Unterhalt, um sinal para nossos tempos “apocalípticos”.

“Neste tempo apocalíptico da Falsa Profecia”, escreve ele, “em que a mentira diabólica anda mancando, a Igreja do Senhor tem o dever de proclamar Jesus Cristo, o Filho de Deus, como o único Salvador e verdadeiro Redentor”. Assim, ele se recusa a seguir tal ensino iluminista do Papa Francisco, que não proclama Jesus Cristo como o único Salvador.

Para Frei Unterhalt – um padre que repetidamente deu o seu testemunho público contra o enfraquecimento da fé – os católicos têm de se voltar para Nossa Senhora, a Mãe de Deus, como refúgio dos pecadores e protetora contra as heresias.

Afirma: “Na consagração vivida ao Imaculado Coração de Maria, Mãe de Deus, que sozinha ‘conquistou e destruiu todas as heresias’, poderemos preservar a pureza da fé e a clareza de pensamento e estar prontos para segui-la fielmente junto ao Nosso Senhor crucificado e ressuscitado, que enviou os seus para dar testemunho do único Deus e do verdadeiro Evangelho”.

Em um comunicado publicado em 15 de agosto pela LifeSiteNews, Unterhalt havia apontado que Nossa Senhora de Fátima já nos alertou sobre uma apostasia que estava por vir na Igreja e que essa apostasia deveria começar “por cima”.

Com esta declaração e crítica a Fratelli Tutti , o Frei Unterhalt se junta às vozes do Arcebispo Carlo Maria Viganò e do Bispo Athanasius Schneider, ambos os quais apontaram semelhanças entre este novo documento papal e o pensamento maçônico, como também iluminista. Ambos igualmente rejeitaram o tom de indiferentismo religioso encontrado neste novo texto.

O Padre Unterhalt tem feito fortes declarações nos últimos anos a respeito da preservação da fé católica. Ele e seu grupo sacerdotal Communio veritatis se opuseram, por exemplo, à ideia de intercomunhão com outras religiões; ele repreendeu publicamente o chefe dos bispos alemães, cardeal Reinhard Marx, por adaptar a Igreja Católica ao Zeitgeist [cultura de época, modismos]; e encorajou que permaneçamos perto de Nossa Senhora, dizendo: “Muitos fiéis estão se perguntando hoje como alguém pode resistir à tempestade atual da grande prova e permanecer na fé verdadeira. Gostaria de lhe responder com as famosas palavras da Santíssima Virgem Maria em Fátima: ‘O Meu Imaculado Coração será o seu refúgio e o caminho que o conduz a Deus!'”

O Imaculado Coração de Maria, a Mãe de Deus, a única que “venceu e destruiu todas as heresias” [e não Pachamama!]. Somente através de sua consagração poderemos preservar a pureza da fé e a clareza de pensamento e estarmos prontos para seguir fielmente ao Nosso Senhor crucificado e ressuscitado, que enviou os seus para dar testemunho do único Deus e do verdadeiro Evangelho: “Todo o poder me foi dado no céu e na terra. Ide, pois, a todas as nações, e fazei discípulos de todos os homens, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo [e não da Pachamama!], e ensinando-os a obedecer a tudo o que eu vos ordenei. Estejam certos: eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo”. (Mt 28,18-20)

Abaixo está a declaração completa do Padre Frank Unterhalt [tradução livre]:

Um documento no modo maçônico

A nova encíclica do Vaticano está aqui – assinada sob o politicamente correto de forma estéril com a exclusão dos fiéis em grande parte. Depois de surfar na onda imanente da religião do clima secular e da visão panteísta do conto de fadas da Amazônia, agora a prancha muito grossa deve ser perfurada. Na continuação do abraço com o Grande Imã do Cairo, o presente jornal Fratelli tutti proclama a fraternidade de todas as pessoas.

A brochura entrega – inteiramente no espírito da autoproclamada “Máfia de St. Gallen” [1], cujo programa foi entregue ao autor. Até a escolha do nome e a suposta ligação com o santo de Assis foram planejadas. O cardeal Danneels havia testemunhado isso como membro do círculo em uma entrevista coletiva com arrogância loquaz. [2]

Mais tarde, durante a apresentação oficial de sua biografia, tanto a agitação massiva contra o Papa Bento XVI quanto a imposição do candidato selecionado organizado por uma rede foram explicitamente mencionadas. [3] Como recompensa na época, o coordenador eleitoral [4] Danneels foi autorizado a estar na loggia em 13 de março de 2013. Além disso, o homem de Bruxelas, que era conhecido como ativista pelo aborto, homossexualidade, casamento do mesmo sexo [5] e o encobrimento dos abusos [6], pôde apresentar suas intenções de enviado especial (!) No chamado Sínodo da Família [7], cuja consequência se tornou o texto inaceitável Amoris laetitia.

Um tema importante dos conspiradores de St. Gallen também foi o sincretismo, disfarçado de “diálogo inter-religioso em uma estrutura global”, com uma afinidade marcante com o Islã e o que é chamado de “Escrituras Sagradas”. [8]

Assim, estamos dentro da dimensão do presente artigo Fratelli tutti . Mencionado expressamente no início e no final (Números 5 e 285) está a conexão direta com a Declaração de Abu Dhabi. Ali, segundo a análise do renomado filósofo Prof. Josef Seifert, nada menos que a soma de todas as heresias foi proclamada [9] e selada por assinatura – na afirmação, a saber, de que a diversidade pluralística das religiões corresponde à vontade dos Deus. Esta Magna Carta do relativismo final levou então à loucura neopagã de adoração sacrílega e blasfema da Pachamama no Vaticano [10].

Idolatria: Um ídolo abstrato e pagão chancelado pelo Papa, como a “Mãe Terra” (Pachamama), que absolutamente NADA tem a ver com quaisquer dos Santos e Apóstolos de Cristo. E ainda transformada em moeda “comemorativa” pelo próprio Vaticano! Crédito: Ufficio Filatelico Numismatico Vaticano Governatorato

Fratelli tutti tenta no início (números 1-4) e no final (número 286) reivindicar São Francisco de Assis como o santo padroeiro de uma suposta irmandade inter-religiosa “sem fronteiras”, distorcendo completamente sua visita ao Sultão no Egito 800 anos atrás. Este caminho com a prontidão para o martírio não tinha precisamente o objetivo de lançar-se ao Islã no desejo de “abraçar a todos” (número 3), na ocultação evasiva do Evangelho de forma debilitante, mas antes na preocupação pela salvação eterna de almas para pedir a conversão à verdadeira fé.

O Poverello estava imbuído da Palavra de Deus: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a todas as criaturas! Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.”(Marcos 16: 15-16). Para isso, ele estava literalmente pronto para passar pelo fogo. São Boaventura (1221-1274) relata que Francisco de Assis “pregou ao sultão com tal destemor, espiritualidade e fervor o único Deus triúno e Salvador de todos os homens, Jesus Cristo” [11] que o ouvinte ficou enormemente impressionado. A Regra Bulada, portanto, atesta o zelo pela missão, “que nós, sempre subjugados e submetidos aos pés desta santa Igreja, firmada na fé católica, […] possamos observar o santo Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, que firmemente prometemos”. [12]

O autor de Fratelli tutti , por outro lado, tem repetidamente usado seu sonho de “uma única família humana” (número 8) como uma ocasião para propagar um relativismo religioso. Esta intenção foi particularmente marcante no contexto da chamada intenção de oração para janeiro de 2016, que foi combinada com um vídeo revelador. Os símbolos das diferentes religiões foram mostrados, igualmente colocados lado a lado. O menino Jesus também estava presente – segurado em um círculo próximo aos outros sinais na câmera e alinhado em declarações de fé em Alá e confiança em Buda.

O ex-presidente israelense Shimon Peres testemunhou em 04 de setembro de 2014, após sua audiência no Vaticano, sobre sua proposta ao bispo de Roma de “fundar as ‘Religiões Unidas'” – desenvolvida a partir das Nações Unidas (ONU). [13]

A Grande Loja Maçônica da Espanha, tendo em vista o discurso de Natal de 25 de dezembro de 2018, no Vaticano, já manifestou seu entusiasmo e, em nome de todos os maçons, aderiu à proclamada “fraternidade entre homens de religiões diferentes”. [ 14] Em vista da última brochura, o mesmo Grande Oriente está levantando atualmente um grito ainda mais alto de euforia ao afirmar que em Fratelli tutti “a fraternidade universal, o grande princípio da Maçonaria moderna” [15] é agora bem-vinda.

Essa ideia já foi bastante avançada no contexto da Declaração de Abu Dhabi. O Bispo de Roma, dando seguimento ao mesmo documento, instituiu a chamada “Comissão Superior da Fraternidade Humana” para implementá-lo. Já foi lançada em Abu Dhabi a obra “Casa da Família Abraâmica” – uma casa inter-religiosa com mesquita, sinagoga e igreja. Os três edifícios das chamadas “religiões abraâmicas” parecem semelhantes, são projetados com dimensões idênticas e criam a impressão de igualdade. O andar térreo comum com o centro de ensino conecta os templos. O próximo passo para a religião unificadora do mundo, portanto, não está longe. [16]

O bispo de Roma proclamou recentemente que o homem é obrigado a obedecer às Nações Unidas (ONU). [17] Elogiando sua carta, Fratelli tutti voltou a enfatizar esse postulado (número 257).

A agenda que tomou forma em Abu Dhabi, é claro, não é nova, mas a implementação exata da ideologia maçônica no drama de Lessing, “Nathan, o Sábio”, que é baseado no credo das lojas de que a verdade e a religião são relativas. Na luta contra a pretensão de absolutismo de Cristo e de sua Igreja, Lessing pintou na Parábola do Anel [18] o quadro da suposta unidade fraterna das três chamadas “religiões abraâmicas”, que em sua condicionalidade histórica eram apenas de importância relativa e intercambiável – de uma maneira típica do ditame racionalista de tolerância do Iluminismo.

A busca pelo ecumenismo universal das religiões sempre foi uma preocupação da Maçonaria no caminho para seu objetivo real, ou seja, fazer o avanço daquela religião autoconstruída na qual todos os seres humanos estão supostamente de acordo. [19]

O Bispo Dr. Rudolf Graber descreveu com precisão o plano pertinente para fazer da coexistência religiosa “um entrelaçamento ecumênico e, assim, preparar a religião mundial em um estado mundial”. [20] O termo decisivo aqui é a chamada “sinarquia” no caminho de um “governo unificado planejado como uma contra-igreja”. [21]

A Revolução Francesa é de particular importância na estratégia maçônica. É impressionante que Fratelli tutti literalmente adote seu slogan quando a manchete dos números 103 a 105 lemos “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.

Um olhar para a história deixa claro que a mencionada “Grande Revolução” veio sobre nós apenas externamente como uma revolução política e social, mas sua essência mais íntima deve ser descrita como anticristã. [22]

O falecido filósofo iluminista Sylvain Maréchal (1750-1803) foi um dos iniciadores do “Manifesto dos iguais” em 1796. [23] Ele considerava a Revolução Francesa e seu reinado sangrento de terror apenas como o “precursor de outra, muito maior, muito mais séria revolução, que será a última”. [24] O Manifesto já propunha o socialismo como política prática naquela época e fornecia ideias decisivas para movimentos sociais revolucionários posteriores. Karl Marx estava convencido desde seus anos de exílio em Paris de que 1789 era apenas o prelúdio para a revolução comunista real. [25]

Pessoas agitando bandeira chinesa (país ateu, anticristão e comunista) quando o Papa Francisco cumprimentava os fiéis na Cidade do Vaticano, em 2017 (portanto, antes do famigerado acordo Vaticano/China de 2018). Crédito: Angelo Carconi/European Pressphoto Agency

Quando Fratelli tutti usa explicitamente a crise provocada pela Covid-19 como uma ocasião para expressar o apelo “Sonhemos, então, como uma única família humana” (número 8), deve-se estar bem atento às declarações claras daqueles que estão por trás das cenas que já se manifestaram com o objetivo de uma Nova Ordem Mundial globalizada. [26]

O Bispo Dr. Rudolf Graber resumiu apropriadamente a estratégia correspondente na época: “Politicamente, a sinarquia busca a integração de todos os poderes sociais e financeiros, que este governo mundial sob a liderança socialista naturalmente deve apoiar e promover. O catolicismo, como todas as religiões, seria, portanto, absorvido por um sincretismo universal”. [27]

A carta Fratelli tutti se faz defensora de todas as religiões no capítulo oitavo, quando as elogia ao enfatizar o plural em “serviço à fraternidade em nosso mundo” (número 271). O conceito de religião é aqui reduzido à sua função imanente em termos de construção de uma sociedade supostamente humana.

O leitor é praticamente convidado ao indiferentismo quando o autor cita a mensagem do filme feito sobre si mesmo, de que o amor de Deus é “igual para todos, independentemente da religião. Mesmo que sejam ateus, seu amor é o mesmo” (número 281). Qual “Deus” e qual “amor” se referem? Aqui, a questão decisiva da verdade é completamente ignorada.

Há muitos séculos, o Papa utiliza sapatos vermelhos, que simboliza o sangue derramado de Cristo. Mas não o Papa Francisco. O argentino Bergoglio só calça sapatos pretos, com um detalhe: trata-se do mesmo par há 40 anos, que só é reformado pelo mesmo sapateiro. Crédito: Tony Gentile/Reuters

Com base no testemunho da Sagrada Escritura (cf. 1 Tim 2, 4), a Declaração do Papa Bento XVI Dominus Jesus proclamava no Ano Santo 2000: “Deus deseja a salvação de todos através do conhecimento da verdade. A salvação é encontrada na verdade”. [28]

O indiferentismo subjacente ao oitavo capítulo de Fratelli tutti foi fortemente rejeitado por São João Paulo II em sua encíclica Redemptoris missio, porque essa atitude “é caracterizada por um relativismo religioso que leva à crença de que ‘uma religião é tão boa quanto outra'”. [29]

Neste tempo apocalíptico da Falsa Profecia, em que a mentira diabólica anda mancando, a Igreja do Senhor tem o dever [30] de proclamar Jesus Cristo, o Filho de Deus, como o único Salvador e verdadeiro Redentor.

São João Paulo II o destacou com grande ênfase: “Hoje em dia o apelo à conversão que os missionários dirigem aos não cristãos é questionado ou ignorado em silêncio. É visto como um ato de ‘proselitismo’; afirma-se que basta ajudar as pessoas a se tornarem mais humanas ou mais fiéis à própria religião, que basta construir comunidades capazes de trabalhar pela justiça, pela liberdade, pela paz e pela solidariedade. O que se esquece é que toda pessoa tem direito a ouvir a ‘Boa Nova’ de Deus que se revela e se doa em Cristo, para que cada um viva em plenitude a sua vocação”. [31].

Neste tempo de grande apostasia da fé verdadeira (cf. 2 Tess 2, 3-8), é necessário confessar Cristo, o rei da glória eterna, com fidelidade e sem medo com São Pedro perante o Sinédrio: “Em ninguém outra coisa é a salvação a ser encontrada. Pois não há nenhum outro nome debaixo do céu dado a nós, homens, pelo qual possamos ser salvos”. (Atos 4:12).

Na consagração vivida ao Imaculado Coração de Maria, a Mãe de Deus, a única que “venceu e destruiu todas as heresias”, [32] poderemos preservar a pureza da fé e a clareza de pensamento e estar prontos para seguir fielmente ao Nosso Senhor crucificado e ressuscitado, que enviou os seus para dar testemunho do único Deus e do verdadeiro Evangelho: “Todo o poder me foi dado no céu e na terra. Ide, pois, a todas as nações, e fazei discípulos de todos os homens, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a obedecer a tudo o que eu vos ordenei. Estejam certos: eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo”. (Mt 28,18-20).

13 de outubro de 2020 – Aniversário da última aparição em Fátima da Bem-Aventurada Virgem Maria, Rainha do Rosário e vitoriosa em todas as batalhas de Deus.

Padre Frank Unterhalt

[Nota: O lema da Revolução Francesa – igualdade, fraternidade e liberdade -, assim como o Papa Francisco, de início parecia ser totalmente “angelical e inocente”. Depois, veio o TERROR…! O argentino Bergoglio quer a submissão do mundo à ONU, ao comunosocialismo – veja Papa diz que “comunistas pensam como os cristãos” -, ao governo mundial. Trocou a Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo) pela Pachamama e relativizou a fé, a Doutrina Cristã e até mesmo o próprio Cristianismo]

Por ser tão evidente, muitas pessoas insistem em não ver. Este Papa nunca trouxe a Cruz de Cristo estampada no peito. Ao contrário: carrega um tipo de esquife, cujo interior é ocupado por uma “divindade” antiga, provavelmente do antigo Egito, ou dos próprios maçons, com esquadro e compasso nas mãos, que nem de longe lembra Nosso Senhor Jesus Cristo. De braços cruzados, como que numa recusa em dar-se à Cruz. Não é um crucifixo, mas sim uma tumba, um sarcófago. Crédito: Professor Bellei

Fonte: Life Site News

[1] Cf. Jeanne Smits, “Cardinal Danneels admits being part of clerical ‘Mafia’ that plotted Francis’ election,” in: LifeSiteNews, September 25, 2015.

[2] Cf. Jürgen Mettepenningen, Karim Schelkens, Godfried Danneels: biographie, Dutch edition (e-Book), Kalmthout 2015, chapter 26.

[3] Cf. Amand Timmermans, “Danneels und der Mafiaklub ‘Gruppe von Sankt Gallen,’” [“Danneels and the Mafia club ‘Sankt Gallen Group’”] in: Katholisches.info, October 5, 2015.

[4] Cf. Walter Pauli, “Godfried Danneels a oeuvré pendant des années à l’élection du pape François,” [“Godfried Danneels has worked for years for the election of Pope Francis”] in: Le Vif, September 23, 2015.

[5] Cf. Jeanne Smits, “Cardinal Danneels congratulated Belgian gvmt for legalizing gay ‘marriage,’” in: LifeSiteNews, September 23, 2015.

[6] Cf. Mark Eeckhaut, „En als we nu eens vergiffenis zouden schenken? Hoe kardinaal Danneels probeerde het schandaal-Vangheluwe geheim te houden“, in: Het Nieuwsblad, August 28, 2010.

[7] Cf. Dr. Benjamin Leven, “Wenn Vertuschung scheitert,” [“When Cover-up Fails”] in: Römische Korrespondenz, September 7, 2018.

[8] Cf. Mettepenningen, Schelkens, chapters 22 and 24.

[9] Cf. Dr. Maike Hickson, “Pope asks universities to disseminate his claim ‘diversity of religions’ is ‘willed by God’,” in: LifeSiteNews, March 25, 2019.

[10] Cf. Contra Recentia Sacrilegia. Protest against Pope Francis’ sacrilegious acts.

[11] Bonaventura von Bagnoregio, Legenda Maior – das Große Franziskusleben [The Great Life of Francis], chapter IX,8,6, in: Franziskus-Quellen, Kevelaer 2009, page 745.

[12] Bullierte Regel, chapter 12,4, in: Franziskus-Quellen, page 102.

[13] Cf. Giuseppe Nardi, “Das Video vom Papst – “Das mir nicht gefällt,’” in: Katholisches.info, January 7, 2016.

[14] El Oriente, “Todos los masones del mundo se unen a la petición del Papa por ‘la fraternidad entre personas de diversas religiones,’” Segunda época – Número 243.

[15] El Oriente, “El Papa abraza la Fraternidad Universal, el gran principio de la Masonería,” Segunda época – Número 409.

[16] Cf. Giuseppe Nardi, “In Abu Dhabi entsteht der Tempel der Welteinheitsreligion – mit Unterstützung von Papst Franziskus,” [“In Abu Dhabi, the Temple of the One World Religion is being created with the help of Pope Francis”] in: Katholisches.info, November 21, 2019.

[17] Cf. Jeanne Smits, “Vatican gives nod to ‘Abrahamic Family House’ that equates Christianity, Judaism, Islam,” in: LifeSiteNews, September 25, 2019.

[18] Gotthold E. Lessing, Nathan der Weise [Nathan the Wise], Stuttgart 1948, pages 89–97, 3. Aufzug, 7. Auftritt.

[19] Cf. Manfred Adler, Die antichristliche Revolution der Freimaurerei [“The anti-Christian revolution of Freemasonry”], Jestetten 1994 (5th edition), page 166.

[20] Bischof Dr. Rudolf Graber, Athanasius und die Kirche unserer Zeit [“Athanasius and the Church of Our Time”], Abensberg 1987 (11th edition), page 38.

[21] Id., S. 31.

[22] Cf. Manfred Adler, page 24.

[23] Cf. Chronique de la Révolution, [“Chronicle of the Revolution”] Paris 1988, pages 37 and 520.

[24] Heinrich August Winkler, “Zur Wiederholung nicht empfohlen,” [“Not recommended for Repetition”] in: Frankfurter Allgemeine Zeitung, November 8, 2017.

[25] Heinrich August Winkler, “Marx und die Folgen. Gedanken zum Wandel der Revolution 1789–1989,” [Marx and the Consequences. Thoughts on the Change of the Revolution”] Opening talk in the series “Nach dem Ende der Illusion: Was bleibt vom Kommunismus im 21. Jahrhundert?,” [“After the End of the Illusion: What Remains of Communism in the 21th Century?”] Humboldt-Universität Berlin, February 7, 2017.

[26] Cf. Dorothy Cummings McLean, “Kissinger: Failure to establish post-Covid new world order ‘could set the world on fire,’” in: LifeSitenews, April 7, 2020; Cf. Martin Bürger, “Bill Gates: Life won’t go back to ‘normal’ until population ‘widely vaccinated,’” LifeSiteNews, April 6, 2020.

[27] Bischof Dr. Rudolf Graber, page 33.

[28] Congregation for the Doctrine of the Faith, Declaration Dominus Jesus. On the Unicity and Salvific Universality of Jesus Christ and the Church, August 6, 2000, number 22.

[29] Pope John Paul II, Encyclical Redemptoris missio, number 36.

[30] Cf. Catechism of the Catholic Church, 851; Cf. CIC, can. 781.

[31] Papst John Paul II, number 46.

[32] Louis de Montfort, Abhandlung von der Wahren Andacht zur allerseligsten Jungfrau Maria [“On the True Devotion to the Blessed Virgin Mary”], II, 2, in: Das Goldene Buch, Feldkirch 1987, page 120.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s