Crédito: Vinícius Loures/Câmara dos Deputados/JC

Salles está complicando a vida de ONGs, Institutos Ambientais e ecoterroristas que viviam de dinheiro público federal enquanto difamavam o país no exterior e aqui dentro nunca fizeram coisa alguma além de compactuar com a exploração.

Em audiência com parlamentares nesta terça-feira, 13, ele reiterou que não existe desmonte no combate aos incêndios. O ministro afirmou que a área ambiental sofre com uma visão acadêmica e destaca que o fogo controlado, conhecido como “fogo frio”, ajuda a diminuir a proporção dos incêndios. Salles também endossa a tese de Tereza Cristina, da Agricultura, que defende manutenção do gado no Pantanal para evitar o fogo. “As áreas de competência do governo federal se referem, justamente, as unidades de conservação, que somam apenas 6% do bioma. Os outros 94% são de jurisdição dos estados. Então a fiscalização, a implicação de penalidades são de competência estadual”.

O ministro do Meio Ambiente declarou que o governo faz o enfrentamento como se deve, afirmando que processos por infração ambiental no Brasil podem demorar até cinco anos. “O nosso esforço tem sido de dar maior eficiência a fiscalização ambiental, não há desmonte. Nós recebemos esse desmonte. A duração dos processos está na média em cinco anos e dois meses”, disse.

Salles não vê necessidade de incluir o Pantanal no Conselho da Amazônia, comandado pelo vice-presidente, Hamilton Mourão. Ao mesmo tempo, Mourão também se posicionou contrário a possibilidade de inclusão, alegando que, na visão dele, a questão do Pantanal é mais simples que a situação da Floresta.

O jornalista e comentarista político Rodrigo Constantino analisou a declaração do ministro e sua repercussão entre “ambientalistas”. Segundo Constantino, “ele está absolutamente correto quando diz que certas funções cabem aos estados, como, por exemplo, fiscalizar o Pantanal. Isso aí é uma coisa um tanto óbvia”, disse.

E rebateu os críticos – os mesmos de sempre – que vivem condenando Salles: “O ministro está fechando torneiras, está dificultando a vida de certas ONGs, que se acostumaram a viver às custas do governo e é por isso que ele é tão atacado”.

Fonte: Jovem Pan/Jornal da Cidade Online

Leia também:

Justiça rejeita pedido de afastamento de Salles e acaba com falácias: “Argumentos vagos”

Mal humor de ONGs milionárias coincide com o fim da farra com dinheiro público

Nossa imprensa chama o fogo em outros países de incêndio, mas quando é aqui no Brasil tudo vira “queimada”

3 comentários em “Cada dia ficam mais óbvios os motivos REAIS da tentativa de derrubada do Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s