Imagens de satélite de novas instalações perto de Kashgar, região de Xinjiang. Crédito: Maxar Technologies/Google Earth

A China construiu cerca de 400 campos de internação na região de Xinjiang por meio de uma rede muito maior do que se pensava anteriormente, e a construção de outras dezenas continuou nos últimos dois anos, mesmo com as autoridades chinesas dizendo que o “Sistema de Reeducação” estava sendo desmontado, de acordo com uma investigação apresentada na semana passada por um grupo de especialistas australianos.

O “Instituto Australiano de Política Estratégica” [Australian Strategic Policy Institute, ASPI] informou que identificou mais de 380 “prováveis centros de detenção suspeitos” em Xinjiang, onde acredita-se que a China tenha mais de um milhão de uigures e outros residentes de língua turca, em sua maioria muçulmana. A minoria uigur constitui o principal grupo étnico da região, que tem fronteiras comuns com o Afeganistão e o Paquistão.

O número de instalações é cerca de 40% maior do que as estimativas anteriores, de acordo com a pesquisa, e tem crescido apesar das alegações da China de que “muitos uigures foram libertados”.

Usando imagens de satélite, relatos de testemunhas oculares, relatórios da mídia e documentos oficiais de licitação de construção, o instituto disse que “pelo menos 61 locais de detenção viram novas construções e obras de expansão entre julho de 2019 e julho de 2020”. Mais 14 instalações estavam em construção em 2020 e cerca de 70 cercas ou muros perimetrais foram removidos, indicando que seu uso foi alterado.

“As evidências neste banco de dados mostram que, apesar das alegações das autoridades chinesas sobre os detidos que se formaram nos campos, o investimento significativo na construção de novos centros de detenção continuou ao longo de 2019 e 2020”, afirmou Nathan Ruser, pesquisador da ASPI .

A ASPI dividiu os campos em quatro categorias diferentes , refletindo diferentes níveis de fortificação e controle de prisioneiros. Cerca de metade das 60 instalações que foram recentemente expandidas são de segurança máxima, sugerindo um endurecimento da campanha do governo comunista central contra as minorias em Xinjiang, segundo o relatório.

Clique aqui e tenha acesso a modelos 3D feitos por Ruser, de um campo de segurança máxima no condado de Markit, cidade de Kashgar.

Construções recentes em Xinjiang foram fotografadas e identificadas. Crédito: Maxar Technologies/Google Earth

As informações, incluindo as coordenadas dos acampamentos, foram divulgadas em um banco de dados que pode ser acessado online, o Projeto de Dados de Xinjiang [Xinjiang Data Project]. Sua capa já descreve bem o conteúdo: “O Xinjiang Data Project reúne pesquisas empíricas rigorosas sobre a situação dos direitos humanos dos uigures e de outras nacionalidades não-Han na Região Autônoma Uigur de Xinjiang [Xinjiang Uyghur Autonomous Region, XUAR], no oeste da China. Concentra-se em um conjunto central de tópicos, incluindo campos de concentração em massa, vigilância e tecnologias emergentes, trabalho forçado e cadeias de abastecimento, a campanha de “reeducação”, destruição cultural deliberada e outras questões de direitos humanos”.

E continua: “Com base em dados de código aberto, incluindo imagens de satélite, documentos do governo chinês, estatísticas oficiais e uma série de relatórios oficiais e estudos acadêmicos, o Xinjiang Data Project documenta o programa contínuo do Partido Comunista Chinês de abusos dos direitos humanos e autoritarismo aprimorado pela tecnologia em Xinjiang, e explora suas implicações globais”.

Os dados coletados também mostram que em muitos casos os campos estão próximos a parques industriais. De acordo com organizações de direitos humanos, mais de um milhão de pessoas foram internadas em “campos” e várias delas foram usadas para trabalhos forçados. “Os campos também costumam estar localizados ao lado dos complexos de fábricas, o que pode sugerir a natureza de uma instalação e destacar a linha direta entre a detenção arbitrária em Xinjiang e o trabalho forçado”, diz o relatório.

O maior campo documentado na região, Dabancheng, está localizado fora da capital regional de Urumqi . As novas construções ali ao longo de 2019 ocuparam mais de um quilômetro e, no total, agora tem quase 100 edifícios.

Pequim novamente negou a existência de campos de detenção, na semana passada. O regime afirma que estes são “centros de formação profissional”, concebidos para ajudar a população a encontrar emprego e, assim, mantê-la afastada do extremismo religioso.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, chamou a ASPI de “a vanguarda das forças anti-China, cuja credibilidade acadêmica é seriamente questionável”. Legisladores dos EUA votaram recentemente pela proibição das importações de Xinjiang, citando o suposto uso de trabalho forçado sistemático.

Pequim publicou recentemente um documento defendendo suas políticas em Xinjiang, onde afirma que programas de treinamento, esquemas de empregos e melhor educação significam que a vida melhorou. Pequim ministrou “sessões de treinamento” para uma média de 1,29 milhão de trabalhadores a cada ano entre 2014 e 2019.

No entanto, investigações independentes por diferentes organizações internacionais descobriram que as minorias nos campos são brutalmente perseguidas com métodos que incluem prisões arbitrárias, tortura, esterilizações e abortos forçados. A China não permitiu que jornalistas, grupos de direitos humanos ou diplomatas tivessem acesso independente aos campos, e os visitantes da região enfrentam forte vigilância.

Exemplo de novos edifícios agregados. Crédito: Maxar Technologies

Após a publicação do relatório da ASPI, o tabloide nacionalista Global Times, controlado pelo governo comunista chinês, citou “fontes” dizendo que os colaboradores da ASPI Clive Hamilton e Alex Joske foram proibidos de entrar na China. Wang não confirmou se os dois acadêmicos foram banidos, mas disse em outro texto que o assunto está “totalmente dentro do escopo da soberania da China”.

Fonte: Infobae

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s