Enquanto o Partido Comunista Chinês (PCC) exige que toda pessoa religiosa dentro do seu território, de qualquer fé, apoie a submissão total a ele mesmo [PCC] e todas as organizações religiosas também estejam sob a liderança do Partido, querendo inclusive modificar a Bíblia Sagrada conforme seus critérios comunistas, o Papa e o Vaticano anunciam que irão renovar acordo nefasto com o “dragão”. Crédito: AFP

O gabinete de comunicação do Vaticano divulgou hoje (29) um artigo defendendo os motivos de renovação do acordo assinado com a China em setembro de 2018 – ainda pouco esclarecido e envolto em segredos – que, oficialmente, trata sobre a nomeação de bispos.

Nos termos deste acordo, dentro do que foi divulgado até então, o Papa é reconhecido como chefe da igreja católica na China, depois de terem existido duas organizações católicas naquele país asiático: uma gerida pela Associação Católica Patriótica, com 60 bispos – gerida pelo governo comunista para supervisionar e controlar atividades dos católicos chineses – e uma outra, considerada “clandestina”, gerida pelo Vaticano e com 30 bispos.

Para chegar ao acordo com Pequim, o Papa Francisco aceitou anular a excomunhão de sete bispos nomeados por Pequim, reconhecendo-os novamente dentro da igreja católica.

O diretor do gabinete de comunicação da Santa Sé, Andrea Tornielli, publicou um artigo na página online da instituição, em que justifica este acordo com a China, explicando que o tratado teve “resultados positivos, embora limitados”, e sugere que ele deve ser prolongado no tempo.

Recentemente, Pietro Parolin explicou que a intenção do Vaticano, no acordo com Pequim, é propor às autoridades chinesas uma prorrogação do acordo de 2018, dando continuidade dos fundamentos do tratado, para posteriormente verificar a sua real utilidade para a igreja católica.

“Parece-me que foi traçado um rumo que vale a pena continuar. Mas veremos”, disse Parolin, numa declaração que foi de imediato criticada por Mike Pompeo, onde o chefe da diplomacia norte-americana convidada o papa a não renovar o acordo com Pequim, alegando que a sua assinatura “colocaria em risco a autoridade moral da Santa Sé”.

No artigo divulgado hoje, o Vaticano esclarece que o acordo “não se refere diretamente às relações diplomáticas entre a Santa Sé e a China (oficialmente, interrompidas desde 1956), nem ao estatuto jurídico da igreja católica chinesa, nem às relações entre o clero e as autoridades chinesas”.

“O acordo provisório refere-se exclusivamente ao processo de nomeação dos bispos, questão essencial para a vida da igreja e para a comunhão dos pastores da Igreja Católica chinesa com o Bispo de Roma e os bispos do mundo”, esclarece o artigo de Tornielli.

“O objetivo do acordo provisório nunca foi meramente diplomático e menos ainda político, mas sempre genuinamente pastoral: o seu propósito é permitir que os fiéis católicos tenham bispos em plena comunhão com o sucessor de Pedro e que, ao mesmo tempo, seja reconhecido pelas autoridades da República Popular da China”, conclui o diretor de comunicação.

O Vaticano sempre defendeu que o acordo se destinava a promover a unidade dos católicos chineses, já que o controle das autoridades chinesas tinha causado o fenômeno das chamadas comunidades “clandestinas”, que tentavam escapar ao controle da política religiosa do governo.

O fato é que simplesmente não há absolutamente NENHUM respeito a qualquer religião dentro de território chinês e os cristãos continuam sendo perseguidos, torturados, escravizados, quando não mortos. O acordo firmado em 2018 não salvou ninguém das garras do “dragão” e ainda comprometeu ainda mais a já desgastada confiança dos fieis em Jorge Mario Bergoglio, o “santo padre”…

Fonte: Agência Lusa/Notícias ao Minuto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s